| ABC SAÚDE | Acidentes Domésticos com Idosos

Segundo a Direção Geral da Saúde (DGS), da análise dos dados do último relatório publicado, verificou-se que 15% dos acidentes ocorreram em pessoas com mais de 65 anos, três vezes mais frequentes nas mulheres do que nos homens.
No grupo etário de 65 anos e mais, a grande maioria dos acidentes ocorre em casa (> 65%) e numa percentagem significativamente inferior, na área dos transportes (< 13%). No momento do acidente, a principal atividade que estava a ser desenvolvida pelas vítimas era uma atividade doméstica, isto é, cozinhar ou comer, no grupo de 75 anos e mais. O principal mecanismo da lesão foi a queda, apresentando uma frequência de 76% entre os 65-74 anos e de 90% no grupo etário com mais de 75 anos. As consequências mais frequentes das lesões foram «concussões, contusões e hematomas», isto é, traumatismos, choque violento, ferimento. As partes do corpo lesionadas foram, mais de 50% das vezes, os membros, seguidas da cabeça (25%).
Em cada ano, uma em cada três pessoas idosas sofrem um acidente doméstico, sendo que a maioria dos acidentes ocorrem dentro de casa, essencialmente devido a quedas. O período de internamento em pessoas idosas é cinco vezes superior ao das crianças. Os idosos com mais de 80 anos têm uma taxa de mortalidade devido a quedas 6 vezes mais alta do que os idosos entre os 65 e os 79 anos. Isto acontece por caírem mais vezes mas também por serem mais frágeis.
Boas práticas baseadas na evidência mostram que é possível reduzir as lesões nos idosos em 38 % através de métodos com custos eficazes. O primeiro passo é compreender as suas causas. Nas pessoas idosas a diminuição da massa muscular, a osteoporose, a diminuição da visão e da audição, assim como a falta de condições de segurança da casa e do jardim aumentam a probabilidade de cair. Manter a segurança é uma questão de tomar medidas de proteção.

Fatores de risco:
– Viver sozinho; tomar medicamentos; doenças crónicas como artroses; mobilidade reduzida; dificuldades cognitivas e demência; redução da acuidade visual e auditiva; calçado e vestuário inadequado; uso de canadianas ou andarilhos; subir escadotes, cadeiras ou árvores; pisos escorregadios ou irregulares.

Prevenção:
– Boa iluminação doméstica; nunca deixe fios elétricos desprotegidos; evite tapetes soltos no chão, principalmente nas escadas; colocação de barras de apoio; não use chinelos, prefira os sapatos fechados; cuidados para não existirem enganos nas dosagens da medicação; não use roupões ou camisas compridas, principalmente se tiver de se levantar a meio da noite; deixe a luz acesa do corredor para auxiliar a visão caso acorde a meio da noite; deixe o telefone num local de fácil acesso; cama larga com altura suficiente para apoiar os pés; mantenha uma cadeira no quarto para que possa sentar-se para se calçar; é proibido usas esquentados a gás dentro da casa de banho; barreiras de apoio na banheira e junto da sanita; nunca feche a porta à chave; lembrar desligar forno, fogão, aquecedores e ferros de passar roupa; evite esquinas de vidro ou material cortante.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*